Todos os post de Heloisa Emer

Boletim 127

O boletim de nº 127 está representando um PRESENTE a todos os amigos e simpatizantes dessa cativante psico-filosofia HUNA, por isso ele é aberto a todos vocês.

Traz preciosos ensinamentos da prática HUNA, desde a PRECE-AÇÃO detalhada, DANÇAS CIRCULARES, KAHI LOA, práticas que mantém vivo o Xamanismo Havaiano nos tempos atuais.

Baixar o boletim 127

ALOHA MAHALO

A Necessidade de Estar Certo

Sempre que você estiver conversando com alguém, verifique se você está sentindo necessidade de defender seu ponto de vista. Verifique a vontade de tornar a sua opinião mais importante do que a opinião do outro. Se essa vontade de “estar certo” aparecer em você, saiba que é o EGO. O ego tem necessidade de estar certo. Para o ego, estar errado é a morte. Para satisfazer sua necessidade de estar certo, o ego se comunica com outros egos através da discussão ou da validação. Na discussão, o ego vê o seu ponto de vista sendo atacado, por isso ele reage e contra-ataca. É interessante perceber os recursos primitivos que ele utiliza, como aumentar o volume da voz, modificar a entonação da voz para torná-la mais dramática, fazer gestos ou posturas ameaçadoras, entre outros apelos emocionais. Já na validação, o ego encontra pessoas com pontos de vista semelhantes aos seus, e assim se sente “entre amigos”. Durante a validação, os egos “amigos” se inflam através do ataque às pessoas “que não conhecem a verdade”, ou seja, que têm opiniões contrárias às suas. Mas perceba que esses “amigos” só são “amigos” do ego enquanto compartilham opiniões semelhantes. Quando mudam de assunto e as opiniões se tornam conflitantes, a discussão começa novamente.

Enquanto a humanidade continuar vivendo no estágio atual, que é o relacionamento entre egos, não haverá comunicação verdadeira. Enquanto houver necessidade de se defender e atacar, não haverá espaço para ouvir o outro, não haverá espaço para compaixão, que é reconhecer a si mesmo no outro. Quando você descobre sua verdadeira natureza além desse ego frágil e carente, não há mais necessidade de se defender, não há mais necessidade de atacar, não há mais necessidade de estar certo. É claro que você pode expor seu ponto de vista com firmeza. Você pode continuar concordando ou discordando, normalmente.

Mas você pode se libertar do vício de estar sempre certo, e você pode perder o medo de estar errado. Se você busca a verdade em si mesmo, então deve reconhecer que pode não estar certo todas as vezes. Para sua verdadeira natureza, estar certo ou errado não faz a menor diferença. Estar certo não vai torná-lo melhor do que ninguém, e estar errado não vai torná-lo menos digno.

OSHO

A Visão Transcendente do Homem

A vida do homem está em constante mudança em seus pontos de vista, a medida que as experiências se sucedem, como se ele se elevasse pela encosta de uma montanha e, a cada parada, descortina uma nova visão.

A Teosofia professa que o que os mais elevados da humanidade tem realizado, será realizado por todos.

A elevada visão alcançada pelos grandes instrutores, é a visão divina do homem e da natureza.

A visão do homem comum é uma forma de ressentimento. O homem médio não gosta das coisas que o rodeiam se elas diferem dele mesmo, não está satisfeito com a sociedade e vive num ambiente de críticas. Aquilo que o favorece, classifica de BOM, tudo aquilo que não expande seus egos, denomina de MAU.

Existe entretanto uma visão facilitadora, uma visão mais ampla, como a dos poetas, o espírito do divino, como: Deus o fez assim e aceito-o como ele é.

Essa visão dos grandes instrutores da humanidade, ajuda a compreender que existe a UNICIDADE que é a idéia de que um princípio criador, ou essência, está em tudo e em todos.

Para bem compreender essa ideia, partimos da observação de que aquilo que nos detemos fora de nós, faz ressonância com aquilo que está dentro de nós.

Se admiro determinada pessoa ou coisa, é porque descubro dentro de mim a identificação com aquilo que admiro nela.

Quando desejo seguir os passos de um Mestre, é o desejo de elevar-me a seu nível.

TU NÃO ME PROCURARIAS SE JÁ NÃO ME TIVESSES ENCONTRADO, disse o Mestre.

Quando nos deleitamos com música, poesia, mistérios, nos deleitamos por aquilo que desperta dentro de nós, que está ali, latente, adormecido e esperando liberdade e expressão.

Cada amigo, cada herói, cada aventura, vitaliza o divino que expressa uma mensagem, como parte da divina visão.
E aprendemos a adivinhar por traz da cada ser o grande Arquiteto, que através da dualidade, com sofrimento ou alegria, se constrói para a eternidade.

Cristo, Krishna, Buda, Zoroastro e demais seres extraordinários, são qualificados de divinos, porque sentimos o divino neles. Tão fortemente nos impressionam, porque despertam em nós algo transcendentalmente divino.

Cura da Causa

Hahnemann, dentre seus princípios de cura, de dentro para fora, sugere a cura do “SEJAM ABENÇOADOS”.

Curar o corpo e não a mente, pode ser grave para o paciente, pois o corpo vive às expensas da alma e a doença é um aviso, um lembrete de corrigir uma falha emocional e mental. Daí a busca do remédio no reino vegetal, pois a planta tem o poder de curar e abençoar.

A doença indica que a personalidade está em conflito com a alma.

PODERTiranoAutocrataSensacionalista
INTELECTOMagoNegativistaIrônico
AMORSimuladorDesvitalizadoFurioso
EQUILIBRIOAbsortoIndecisoHistérico
SERVIÇOFarisaicoEgoistaAgitado
SABEDORIAAgnósticoInseguroPalhaço
PERFEIÇÃOExacerbadoIdealistaMonge

Sabe-se que o que é qualidade em uma pessoa, pode ser falha para outra, por isso qualidades e defeitos são relativos. É necessário conhecer a pessoa e compreender o estágio evolutivo em que se encontra.

Não importa a doença, sintoma, importa a causa que é mais sutil.

Abençoe sempre até mesmo a aflição, cada um tem que lutar as suas batalhas a fim de se conhecer e compreender. É um processo de aprendizado.

Se vivêssemos em harmonia com nossa alma, nenhuma lição severa seria necessária.

O Eu Espiritual Imortal veio ao plano denso para adquirir conhecimento e experiência no corpo físico.

Com ALOHA + MAHALO

Oração do Amor Próprio

Oração

“Com carinho eu me cuido e me amparo a cada passo, a cada queda.

Sei que minha força se refaz no meu tempo e nele meu coração celebra.

Que eu não me critique ou me culpe, drenando assim minha própria energia.

Que eu saiba respeitar o meu tempo de florescer a cada dor, que eu possa também me permitir a alegria.

Que antes de cuidar do outro, eu olhe para a minha vida, regue o meu jardim para que a doação não me deixe um buraco e eu me sinta depois dolorida.

Que eu não abandone a mim mesma, esperando que alguém venha me salvar, ao invés disso que eu saiba me olhar com amor e me curar.

Que eu saiba primeiro me encontrar antes de me doar.

Que eu possa respeitar os meus próprios limites e aprender a dizer não quando essa é a minha real vontade e direção.

Nos erros que cometo, que eu possa me olhar com todo amor e compaixão, pois sei que faço e dou o meu melhor, que eu aprecie a auto gratidão.

Em cada Alegria celebro a grandeza de ser quem sou, sem querer ser uma imagem que pintaram de mim, esse tempo acabou.

Com carinho eu me curo e me amparo a cada passo, a cada queda. Sei que minha força se refaz no meu tempo e nele meu coração celebra.”

Meire Oliveira

Auto Cura

A única missão que temos ao estar neste planeta é a de realizar a auto-cura. Esse é o propósito que tanto se procura, e não qualquer outra coisa. E a própria vida se encarrega de trazer as experiências e os relacionamentos necessários para que tal cura seja estabelecida. Em seu DNA está armazenado uma série de informações, potenciais e debilidades que o farão atrair as experiências necessárias para ficar diante daquilo que precisa ser transcendido e purificado.

Curar-se significa abandonar a ilusão do medo e aceitar o amor como guia interior. Só isso. É tão simples que o ego não aceita e cria uma série de subterfúgios mentais para distância-lo da sua verdadeira missão.

O problema que gera uma enorme distração, é alguém não olhar para esse objetivo e acreditar que está aqui para salvar o mundo e curar os outros. Todos acham que possuem uma missão com outra pessoa ou com o coletivo, e daí por diante acham que entram na vida do outro para salvá-lo, perdendo assim um enorme tempo tentando mudar e curar aquele que é o seu próprio objeto de cura. Uma grande inversão de papéis que cria carmas de longas datas e que mantém a humanidade nesse ciclo interminável de nascimento e morte.

Você recebe o dinheiro que precisa, a profissão que precisa e as pessoas que precisa para trabalhar sobre si mesmo, portanto, mude a sua percepção e compreenda que todos aqueles que estão ao seu redor são anjos que estão mostrando aspectos escondidos, não compreendidos e negados por você, inclusive aqueles que fazem aquilo que você chama de mau.

Tudo diz respeito a você, sempre. Toda experiência e toda relação é uma oportunidade de cura. Use o outro como espelho e permita-se olhar aquilo que te incomoda, deixando assim que a luz ilumine a escuridão e a cura chegue até você.”

Zaira da Luz

Cidadão do Universo

Você, que desceu à Terra para mais uma experiência no corpo, jamais deixou de ser um cidadão do Universo.

Sua verdadeira natureza não é desse ou daquele lugar, mas do Infinito.

Sua casa é no coração do Todo e tudo o que vive é seu próximo.

Você pode lembrar-se de muitas vidas, em diversos lugares, mas você é uma consciência espiritual, que não nasce nem morre, só entra e sai de corpos perecíveis.

Você tem cara de gente, mas o seu rosto espiritual tem a cara da Luz.

Você deita o corpo físico no leito, diariamente, mas não fica dentro dele, mesmo que nem saiba disso. Enquanto a Natureza faz seu trabalho de regeneração do veículo denso, você, o Eu Real, se desprende para fora dele e viaja com o corpo sutil pelos planos extrafísicos, encontra amigos astrais e realiza atividades de estudo e trabalho, naquelas moradas além da Terra.

E, quando volta ao corpo, nem se lembra disso…

No entanto, dentro ou fora do corpo, você é você mesmo o tempo todo.

Quando rememora vivências de outras vidas na carne, isso ainda é um evento menor.

Na verdade, você precisa se lembrar mesmo é de algo a mais, além das lembranças de vidas passadas – muitas vezes, cheias de condicionamentos limitantes e coisas mal-resolvidas.

Você precisa se lembrar das cidades astrais e dos sítios extrafísicos, para perceber que veio de outros planos e que é um SER DE LUZ, um viajante eterno e que nada pode limitar o seu desenvolvimento ou condicioná-lo a este ou àquele corpo – ou àquela vida ou situação específica.

Você carrega o Fogo Estelar em seu peito.

Você não é homem, nem mulher. Nem branco, negro, amarelo ou vermelho.

Você é da raça da LUZ!

É parceiro das estrelas! Sempre foi…

No momento, você está hospedado num corpo denso emprestado pela Mãe Terra.

Então, agradeça a Ela a oportunidade de aprendizagem enquanto está na carne.

E trate com muito cuidado deste veículo de argila que Ela lhe ofereceu com Amor.

Tenha respeito e admiração por quem te recebe e contribui em teu despertar.

Porém, jamais se esqueça de sua verdadeira natureza espiritual.

Mantenha os pés no chão, mas permaneça ligado ao Alto, de onde vêm suas melhores inspirações.

Respeite o caminho terrestre, por onde caminhar, mas não perca o brilho estelar dos seus olhos, nem deixe as coisas do mundo bloquearem sua Luz.

Da mesma forma que o barco pode entrar no rio, mas o rio não pode entrar nele – pois afundaria –, entre no mundo, mas não deixe as coisas do mundo afundarem seu barco e afogarem sua lucidez.

Viva o que tem que ser vivido, mas sem perder por longo tempo o discernimento e a consciência de tua Luz pelo que acontece.

Você é mais do que imagina. Todos nós o somos.

E, se concentrar melhor e mais sua Atenção, desbloqueará diversos de seus potencias adormecidos.

Se escolher desabrochar, desabrochará!

Mas, lembre-se: nada acontece da noite para o dia.

Tudo demanda exercício e paciência, e a ansiedade com qualquer resultado a curto prazo, com certeza, envenenará seus melhores propósitos.

Apenas estude e se empenhe da melhor forma possível, sem preocupações com resultados ou condições.

Seu empenho amoroso o levará a prestar Atenção em algo a mais, na vida e em você mesmo.

E isso é fundamental.

Você É um cidadão do universo. Sempre foi, e será…

Wagner Borges
IPPB – Instituto de Pesquisas Projeciológicas e Bioenergéticas

A Vida

Nossas vidas em até certo ponto, e a experiência de vida individualmente, nos ajudam a criar o mundo como é conhecido, em nossa perspectiva de tempo e espaço.

Nossas consciências estão dentro de todo fenômeno físico, é vital compreendermos as nossas posições dentro da natureza. A natureza é criada a partir de dentro de nós, nossa vida pessoal conhecida brota de dentro de nós, embora nos seja concedida. Somos parte do Ser, damos de certa forma, a vida que é vivida através de nós. Fazemos nossa própria realidade, não existe outra forma, saber disso é o segredo da criatividade.

O conceito de “você”, não deve ser confundido com o “você” que em geral pensamos que somos: apenas o ego, pois o ego é somente uma porção de Nós, é essa parte hábil de nossa personalidade que trata diretamente com o conteúdo de nossas mentes conscientes e que são afetadas diretamente, pelas porções materiais de nossa experiência.

O ego é uma porção muito especializada de nossa identidade maior, uma porção de nós que se manifesta para tratar diretamente com a vida que o Eu maior que estamos vivendo. O ego pode sentir-se cortado, sozinho e amedrontado, entretanto, se a mente consciente deixar, ele pode ser absorvido por ela.

O ego e a mente consciente não são a mesma coisa. O ego é composto de várias porções da personalidade: é uma combinação de características que mudam constantemente e que agem de um modo unificado, porção da personalidade que trata mais diretamente com o mundo. A mente consciente é um excelente atributo perceptivo, uma função que pertence à consciência interior, mas que, neste caso, está voltada para fora, na direção do mundo dos eventos. Através da mente consciente, a alma olha para fora e por si só, percebe com clareza.

Em certos termos, o ego é o olho por meio do qual a mente consciente percebe, ou o foco através do qual ela vê a realidade física. A mente consciente, porém, automaticamente muda seu foco no decorrer da vida. O ego, embora pareça o mesmo para ele próprio, está sempre mudando. É apenas quando a mente consciente se torna rígida em sua direção, ou permite que o ego assuma algumas de suas próprias funções, que surgem as dificuldades. Então o ego permite à mente consciente trabalhar em certas direções e bloqueia sua percepção em outras.

Assim acontece que, a partir de nossa identidade maior, formamos a realidade conhecida. Cabe a nós fazer isso com alegria e vigor, limpando nossas mentes conscientes, para que o conhecimento mais profundo de nossa identidade maior, possa formar agradáveis expressões no mundo da carne.

Agradecimentos ao grupo SETH e ao amigo Luiz Garavello

O Centro do Ser

O Centro do Ser

A energia vem do centro de nosso SER, do Tudo Que É, representa a fonte da vitalidade infinita, é o Ser em Nós. Toda a energia e o poder de Ser estão focalizados e refletidos através de nós, na direção de nossa existência tridimensional. Apesar do caráter único de sua tonalidade sensível, ela é expressa em uma certa forma que é compartilhada por toda consciência focalizada na realidade física.

Brotamos da terra, como todas as outras criaturas e estruturas vivas naturais. Somos, como ser físico, uma porção da natureza e, portanto, não estamos separados dela. As árvores e as pedras possuem sua própria consciência, e também compartilham uma consciência global (gestalt), assim como as porções vivas de nosso corpo. As células e os órgãos têm sua própria consciência e uma consciência gestáltica. Assim, a raça dos homens também tem uma consciência individual e uma gestáltica ou coletiva, que nossa individualidade mal percebe.

A consciência coletiva de nossa raça possui uma identidade, pois somos uma porção dessa identidade, embora continuemos sendo únicos, individualmente e independente. Estamos confinados apenas por nossas escolhas da realidade física, escolhas que nos colocaram dentro do contexto de experiência dessa realidade. Como seres físicos, seguimos leis ou suposições físicas, que formam a estrutura da nossa expressão corporal, mas temos plena liberdade para criar nossas experiências, nossas vidas pessoais em todos os seus aspectos, o retrato vivo do mundo.

Agradecimentos ao grupo SETH e ao amigo Luiz Garavello

A Carne e a Gestalt

Identidade

Nossa carne se forma em resposta os nossos acordes interiores de nosso ser, e as árvores, pedras, mares e montanhas brotam como o corpo da terra, dos acordes interiores profundos que existem nos átomos e moléculas, que também são vivos.

Devido à cooperação criativa que existe, o milagre da materialização realiza-se tão suavemente e automaticamente que não temos consciência de nossa participação nele.

A tonalidade sensível, é o movimento, a fibra, a viga, a porção de nossa energia dedicada à nossa experiência física. Ora, flui naquilo que somos como ser físico, e materializa-o no mundo de estações, espaço, carne e tempo.

A fonte, entretanto, é muito independente do mundo que conhecemos. Uma vez que adquirimos a sensação de nossa própria tonalidade sensível, teremos consciência do nosso poder, força e durabilidade, e poderemos, até certo ponto, fluir com ele para realidades mais profundas de nossa experiência.

A incrível riqueza emocional e a variedade e o esplendor da experiência física são o reflexo material desta tonalidade sensível, imprime uma direção às nossas vidas, condiciona os eventos e as qualidades de nossas percepções. Preenche e ilumina os aspectos individuais de nossa vida e determina, em grande parte, nossa confiança pessoal.

Ele é a sua essência, sua amplitude tem longo alcance, entretanto. Ele não determina, por exemplo, eventos específicos, mas pinta as cores da paisagem maior da nossa experiência. É a nossa sensação própria, inexaurível, que representa a expressão de nós mesmos em pura energia, da qual emana nossa individualidade.

Cada um é Cada um, a identidade inconfundível que nunca é duplicada.

Agradecimentos ao grupo SETH e ao amigo Luiz Garavello