O Tempo Que Habita Dentro De Nós

Hoje estou a pensar no tempo cronológico que passa sorrateiro e não merece a minha confiança. O tempo que devemos prestar atenção é o que corre, amadurece dentro de nós e nos transforma em seres mais compreensivos e mais sábios. Esse tempo eleva-nos e brinda-nos com sorrisos verdadeiros, sem máscaras sociais.

O tempo que corre nas veias da nossa tranquilidade interior tem a confiança de um sábio e a alegria de uma criança por ter-nos ensinado a trocar as reclamações por trabalho, as frustrações por agradecimentos e as compras de “coisas” por pequenas viagens.

O tempo que se foi, deve deixar de fazer parte da nossa rotina, por isso, hoje, rasguei papeis e fotografias. Literalmente, arrumei a mala da saudade e deitei-a porta afora. Hoje, estou fortalecida pela vitamina da sabedoria do tempo que habita dentro de mim.

Tenho, dentro de mim, o tempo menino, que rejuvenesce o meu ser, a cada amanhecer. Corre, dentro de mim, o dia que me abraça e me convida para celebrar a vida.

Preste atenção nesse tempo. Ele é o tônico dos nossos dias. É como uma fada que jamais envelhece. Esse tempo que habita na nossa alma tem a cara da paz; o abrigo da alegria e da vontade por viver em harmonia com a natureza de todas as coisas.

Não basta envelhecer contabilizando o tempo cronológico, pois esse tempo não desperta o espírito que adormece sem prestar atenção na dinâmica do que se eterniza: a sabedoria que deve habilitar dentro de nós, qual mestre a dialogar conosco, a lembrar-nos que viver é celebrar cada instante das nossas vidas.

Vamos semear atitudes de amor e agradecimento por tudo o que conquistamos, entre erros e acertos. Vamos retribuir à natureza através de pequenos gestos, o que dela recebemos, de graça.

Vamos encarar o tempo como uma dádiva e não como o inimigo da nossa juventude. A pele que reveste o nosso corpo não pode ser mais importante do que a alegria que reveste a nossa alma. O brilho dos cabelos da juventude não pode ter mais valor do que os cabelos grisalhos da sabedoria.

Nada pode superar o equilíbrio conquistado pela sabedoria do que se multiplica em ações e em ensinamentos que se perpetuarão por gerações incontáveis.

Vamos celebrar o tempo que dorme e acorda, dentro de nós, como se fosse a nossa estrela guia a nos conduzir para uma vida cheia de harmonia e paz.

Do livro Paz, O Diamante da Alma – de Ozeni Lima e Sebastião de Melo, pág. 23