Os Hormônios do Bem-estar, da Harmonia e do Amor…

(para quem se encontra indisposto, irritado, mal humorado e deprimido)

Hoje em dia, as pessoas na correria daquilo que chamam vida, por entre uma alimentação agressiva, mal mastigada, incompatível, artificial, ingerida sofregamente, tóxica e altamente doentia – precisariam saber um pouco mais sobre a sua fisiologia, deixando de estar tão dependentes da opinião e do poder médico e, maiormente, de medicamentos convencionais altamente prejudiciais pelos seus efeitos iatrogênicos a médio e a longo prazo. Assim, nasce mais este texto que tem como finalidade maior um esclarecimento sobre os efeitos poderosos e luminosos de alguns hormônios que, sem sombra de dúvida, quando bem tratados e estimulados poderiam resolver a maioria dos conflitos e animosidades humanas, semeando a harmonia, a paz e o amor entre todos os Seres!

Posto isto, começo por perguntar: quem já não sentiu-se cansado, desmotivado, mal humorado, intolerante e extremamente irritado a qualquer estímulo pequeno, desencadeando reações comportamentais agressivas e desequilibrantes. De igual modo, quem não sentiu tristeza contínua, um ligeiro sintoma de depressão e um apetite voraz para carbo-hidratos e doces? Pois bem, se isso acontece consigo, caro leitor ou leitora, saiba que pode estar sendo vítima da produção inadequada de hormônios do bem-estar, prazer e recompensa. A propósito, penso que a maioria dos indivíduos não sabem que nós animais segregamos endogenamente substâncias que permitem-nos um bem-estar permanente… O que é pena! E todos os hormônios que iremos falar e apresentar, estando em harmonia, produzem a sensação de afetividade, bem-estar, motivação, satisfação, sociabilização, alegria de viver, prazer pela vida, por desafios e diminuição de processos dolorosos. Portanto, neste contexto, e na falta de uma boa produção de certos hormônios, a serenidade, amorosidade e plenitude não tomarão conta do ser!

Vejamos: a endorfina, serotonina, dopamina e ocitocina são considerados os “hormônios do prazer”, pois interferem no cotidiano das nossas vidas e estão relacionadas ao bem-estar geral. Por isso, os níveis hormonais adequados são essenciais para a saúde física e psicológica. A endorfina, que é o hormônio produzido pela glândula hipófise, ajuda no combate do stress, pois tem ação analgésica e relaxante, e quando libertada estimula a sensação de bem-estar, conforto, melhor estado de humor e alegria. De igual modo, a serotonina está ligada aos transtornos afetivos e de humor. Além de estar relacionada à libertação de outros hormônios. A serotonina é um neuro-transmissor que atua no cérebro, na temperatura corporal, na sensibilidade à dor, nos movimentos e nas funções intelectuais. Por conseguinte, a baixa concentração de serotonina no organismo pode levar ao aparecimento de sintomas como:

  • Mau humor de manhã;
  • Sonolência durante o dia;
  • Inibição do desejo sexual;
  • Vontade de comer doces;
  • Comer a toda hora;
  • Dificuldade no aprendizado;
  • Distúrbios de memória e de concentração;
  • Irritabilidade;
  • Cansaço;
  • Ficar sem paciência facilmente.

A saber: a atividade física regular é uma ótima maneira de estimular a produção de serotonina e endorfina. A prática diária da “Respiração Consciente” também. Alguns estudos mostraram o aumento das dosagens de endorfina até 72h após o exercício físico e da “respiração consciente”. Importantíssimo, também, será a reposição diária de nutrientes como a Clorella, que é uma alga unicelular, que apresenta-se como excelente opção de produção deste neuro-transmissor afetivo. A ocitocina, conhecida como o “hormônio do amor”, está relacionada com o prazer, segurança, desejo sexual e bem-estar da mente e do corpo. É libertada durante o parto e a amamentação e, também, quando os órgãos sexuais são estimulados. Este hormônio estimula a sociabilidade, facilita a formação de laços de amizade e o estreitamento de ligações sentimentais, melhora o humor e reduz a ansiedade.

Relativamente à dopamina, que é uma substância química libertada pelo cérebro, realmente desempenha uma série de funções, incluindo o prazer, a sensação de recompensa, o movimento prazeroso, a memória e a atenção. A respeito, a doença de Parkinson e a dependência de drogas, são alguns dos problemas associados com os níveis de dopamina anormais. A dopamina fornece a sensação de bem-estar, tais como o prazer, afeição e amor.

Para melhor entendimento, apresentamos aqui alguns dos sintomas de dopamina deficiente. Por exemplo, a falta da sensação de bem-estar, felicidade, prazer ou ternura com os entes queridos. Também, a ausência de remorso sobre os comportamentos. Neste contexto, é importante dizer, que a Fenilalanina e Tirosina são blocos de construção necessários para a produção da dopamina, que são elementos presentes na clorella. Além disso, o ácido poli-insaturado ômega 3, apresenta-se como complementar ao uso da clorella, pela sua capacidade neuro-protetora e facilitadora do aumento da cognitividade cerebral que é reparadora da memória. Sobre a Clorella acrescentamos ainda: que o aminoácido triptofano, presente nas algas clorella, atua no Sistema Nervoso Central (SNC), sendo um dos responsáveis pela produção de serotonina. Logo, havendo níveis baixos de serotonina poderá desencadear-se episódios ligados e associados à depressão, pelo que o triptofano atua como um anti-depressivo, pois eleva os níveis da serotonina (5HT) no SNC. Além disso, possui na sua composição a L-Fenilalanina e as vitaminas B e B6, que atuam na produção da dopamina, que é, como foi dito atrás, o hormônio da satisfação e da motivação. O Ômega 3: presente nos peixes de água fria (salmão, atum, cavalinha) são considerados excelentes fontes de ômega 3, é um ácido gordo com efeito protetor sobre os neurônios, aumentando a produção dos receptores dos neuro-transmissores (serotonina, dopamina e noradrenalina que protegem o cérebro e o sistema nervoso central dos radicais livres, que são substâncias responsáveis pelo envelhecimento). A sua suplementação atua como um fator para a co-produção equilibrada destes neuro-transmissores e das sensações de bem-estar!

Em suma, e lembrando sempre que estar e ficar bem é uma opção de escolha, termino perguntando: por que não escolher ficar bem?! De fato, a consciência liberta-nos e permite que vivamos com mais intensidade e alegria a nossa vida.

Carlos Amaral (Lama Khetsung Gyaltsen Rinpoche)