O Princípio do Fim

Saindo do Casulo

Estamos vivendo mudanças que denotam claramente o princípio do fim, fim de uma era de consumismo irracional e início de uma nova consciência.

Da mesma forma que nossos olhos recebem a luz, nosso cérebro usa essa informação para criar as experiências de ver as coisas, nós interpretamos a informação, fazemos a leitura com a nossa forma de ver as coisas. Nós criamos aquilo que é realidade para nós.

Como diz o provérbio: “não vemos as coisas como elas são, vemos as coisas como nós somos”.

Recebemos a informação e a energia e criamos aquilo que é realidade para nós.

Só quando compreendemos a concepção do primeiro princípio IKE, de que criamos a nossa própria realidade, assumimos a responsabilidade pelo que experimentamos e criamos e ir além para alcançar o que acontece no coletivo, reflexo do que cada pessoa é.

Nessa época vivemos o fim de um sistema de crenças, baseado no medo, na culpa e na limitação. A velha luta pela sobrevivência dos povos primitivos e que na nova era não serve mais, velhas crenças e padrões que estão ruindo por não ter mais sustentação e em todos os setores da sociedade no mundo.

Essas mudanças incluem também as dimensões internas de nossos eus em nossa própria multidimensionalidade.

Melhor não resistirmos às mudanças, para não criarmos doenças, que são inadequações, desarmonias e somatização de energias mal direcionadas.

Começamos a perceber que somos a soma dos aspectos dos nossos eus, tudo que concebemos é reflexo de nós, por que tudo é consciência.

Aproveitemos as mudanças planetárias para sair do casulo de crenças e de programas que já não servem mais, alçando vôo para a nova vida.

Vemos muitos se debatendo para não sair do falso conforto e segurança de seus casulos de velhas crenças.

Desperte seus sentidos e fortaleça as novas asas: serenidade e compaixão. A compaixão conduz ao amor incondicional e a serenidade liberta do medo e desconfiança, abrindo a alegria do novo caminho.

Tenha compaixão de si mesmo e permita que o amor guie seu caminho.

Todo fim demarca um novo começo.

Consciência coletiva dentro da norma, sincronizando tempo/espaço, para tudo fazer: 915777918934198