Consciência Energética

Vamos considerar os três aspectos da nossa consciência: UHANE, desta dimensão, UNIHIPILI, da dimensão psíquica e AUMAKUA, da dimensão superior ou paraíso.

Todos interligados compondo esse ser manifesto neste plano de materialidade.

Só podemos apreciar o mundo das “causas”, através da projetiva dos “efeitos”, que constituem esse nosso mundo.

Somos a pedra bruta a ser lapidada por nós mesmos, nas necessidades existenciais.

Na hiper-física, saímos da ordem cronológica de passado, presente e futuro, para o eterno infinito, sempre “presente”.

Enquanto ignoramos a verdade somos apenas animais de dois pés. Quando desenvolvemos a “sabedoria”, passamos a ser homens/mulheres, heróis, semi-deuses.

Nessa ideia de “n” dimensões, vamos abrindo possibilidades no espaço abstrato que, concebido pela divindade criadora, está em qualquer parte e lugar em essência, presença e potência.

Vamos nos ver galgando, um a um, os degraus de uma escada, ou cadeia de DNA, em forma de espiral. Reflexo do cosmos em nós mesmos, vamos criar o mundo desejado.

Lá, já no alto da nossa escada, de uma cadeia de mundos mais elevados, cujas luzes projetam nas mentes, sombras.

Pressentidos pela intuição, invisíveis seres, se põem em nosso lado, dentro da unidade transcendente que liga todas as essências.

Chegamos junto ao poço da vida, não um poço material, mas símbolo de puras águas cristalinas de sabedoria oculta, de MANA, que desce dos céus, que anima os elementos que sustentam a vida.

Sentimos o espírito planetário que faz mover essa bola de lodo, que chamamos TERRA.

Esse espírito que nos fala no sono e no sonho, pois que a alma não dorme e sim liberta-se do corpo e viaja pelos espaços astrais.

Esse espírito que nos escuta agora, em cada pedido “prece-ação”.

Nós humanos temos três vidas distintas: uma animal, corpórea e terrestre; outra humana, lunar e psíquica; outra divina, espiritual e solar. Sujeitos a duas mortes, a física que priva do corpo material e a psíquica que liga definitivamente a alma ao espírito.

O espírito é imortal e oportuniza a experiência nos planos densos, com descidas e subidas, sendo criador de si próprio, co-autor de toda criação.