Jogos Humanos

Imagine um continente com um caminho serpenteado a partir da praia do sul, indo em direção à extremidade norte. Vamos usar essa imagem à medida que seguimos o desenvolvimento da consciência humana através de alguns dos diferentes jogos que jogamos.

A senda da consciência frequentemente começa com uma experiência dolorosa. Esta dor inicial é simbolizada por cavernas escuras perto da praia do sul no Continente dos Jogos Humanos. Embora sua intenção possa ser caminhar por uma senda de alegria, frequentemente é preciso que a dor o arranque de seus caminhos habituais de pensamento e comportamento. Esta força motivadora pode ser a morte de alguém amado; isso o faz questionar todas suas crenças. A senda pode resultar de uma doença. Pode ser uma dor psicológica tão profunda que o force a olhar para as outras possibilidades. Imagine uma flecha e um arco. O esforço o faz saber que a flecha voará com força. Acontece o mesmo com a dor inicial. Ela constrói a energia ou motivação para conduzir-nos através das provações da senda. Quando a dor se torna tão intensa que não a podemos suportar, procuramos novas possibilidades. Isso conduz ao crescimento.

A maioria do seu comportamento e formas habituais de pensar são inicialmente estabelecidas por experiências na primeira infância e muitas delas têm implicações de sobrevivência ligadas a elas. Uma criança a quem é ordenado com raiva para modificar seu comportamento sentirá que sua sobrevivência depende de obedecer a ordem. Esse comando, quanto repetidos com frequência suficiente, torna-se uma lei eterna. Quando o crescimento demanda que você mude seu condicionamento, um aspecto de si sentirá que sua sobrevivência está sendo ameaçada e o medo pode resultar.

À medida que começa a mudar e deixa aquelas Cavernas da Dor, você pode encontrar em seguida a Floresta do Medo. O medo é uma reação química que acontece para assegurar a sobrevivência do corpo. Quando você sente que sua sobrevivência está ameaçada, o medo precipita-se através de você com a intenção de protegê-lo através de seus efeitos psicológicos. Assim, à medida que se torna um ser mais consciente, fique ciente de que pode encontra-se na Floresta do Medo.

Passando a floresta, a senda dirige-se através de um pântano. Este é o Pântano da Resistência. A resistência, como uma rocha em um rio, o tornará mais lento. Quando você está mudando rapidamente demais ou encontrando padrões que não está pronto a abandonar ainda, a resistência tornará você mais lento.

A resistência manifesta-se de muitas formas. Algumas das mais comuns são dores corporais, tédio, raiva, ser demasiado falador ou fazer algo perturbador. Quando está experimentando resistência na senda, perceba que algo está o amedrontando. Nessa alternativa, tranquilize-se e modere um pouco.

Quando finalmente nos livramos da resistência e seguimos a senda do continente em frente, chegamos a uma montanha. É a Montanha do Esforço. Parece grande e amedrontadora. Se não fosse por aquelas Cavernas da Dor atrás de nós, provavelmente voltaríamos.

Foi preciso muita energia da parte da sua escola, de seus pais e de si próprio para programar você da forma que está programado e demandará uma energia igual, senão maior, para MUDAR. Lembre-se que muitos de seus padrões foram estabelecidos com a força da ameaça à sobrevivência, a força mais poderosa do reino animal. Aquela energia deverá ser contrabalançada por forte intenção, se você quiser escalar a Montanha do Esforço. Você tem que estar desejoso de colocar energia em sua transformação.

À medida que cresce em consciência, pode experimentar recuos temporários. Surtos de emoção inexplicável, quedas seguindo-se de picos experimentais, doenças físicas ou outros sintomas físicos. Esta é uma ocorrência natural na senda e é simbolizada pela Lagoa da Morte do Ego. Lembre-se de que os padrões que está agora transformando têm muitas lembranças, pensamentos e emoções associados a eles. Representam energia bloqueada. Quando o padrão é mudado, aquela energia é liberada, resultando em vários sintomas. Os sintomas da morte do ego são uma característica natural na senda em direção à consciência.

Depois de viajar meio caminho subindo o continente, você chegará a uma área importante. Ela na realidade divide o continente em duas metades. É o Rio da Culpa. Muitas pessoas movem-se das Caverna da Dor para o medo, depois a resistência e depois voltam à dor. Eles nunca quebram esse ciclo porque não estão desejosos de despender a energia necessária para ocorrer o crescimento. Eles nunca cruzam a montanha nem alcançam o rio.

Na parte de baixo do continente, somos vítimas das circunstâncias: “Sou como sou por causa da minha educação, meus pais ou falta de sorte”. Estamos desesperadamente envolvidos em um mundo dirigido por “outros”, sempre procurando alguém para culpar por nossa má sorte e um salvador de alguma forma para resgatar-nos. Enquanto você torna alguém responsável pelo que você gosta em sua vida, sempre estará procurando alguma força externa para transformar sua experiência e será incapaz de fazer isso você mesmo.

Você deve cruzar o Rio da Culpa. Ninguém em seu presente ou passado jamais fez algo para você e ninguém irá salvá-lo. VOCÊ escolheu todas as experiências e circunstâncias de seu passado a fim de que pudesse se tornar o que é. Toda transformação que ocorra em sua vida VOCÊ também terá que escolher.

Enquanto você culpar alguém por suas experiências, não será capaz de mudá-las. Todas as experiências na sua vida tiveram origem em sua mente criativa.

Escolha o passado que você criou, é a matéria-prima para trabalhar com ela e prosseguir na senda. Uma coisa miraculosa começa a acontecer quando você aceita a responsabilidade por suas experiências. Isto é ilustrado por duas características do Continente dos Jogos Humanos: a Casa da Cura e o Campo de Recompensas.

Quando você despendeu energia para ultrapassar o Rio da Culpa, uma mudança começa a acontecer. As Cavernas da Dor não são mais sua força motivadora. É a alegria da vida que agora estimula-o a prosseguir. Aquilo que antes era um esforço, agora se torna facilidade. Os hábitos auto-destrutivos caem, sua saúde melhora, você encontra as pessoas com atitudes positivas em relação à vida e, em geral, há um sentimento de sucesso e bem estar em sua vida.

Neste ponto você se move da senda rochosa dos perigos e trabalho árduo, para a Estrada da Ação Correta. Na Índia é chamada de senda do Dharma: Caminhar em harmonia. A esta altura você desenvolveu um sentido daquilo que está alinhado com seu mais alto bem e de tudo ao seu redor. Se você se desvia, terá uma forte reação que o trará de volta à harmonia consigo e com seu meio.

Caminhar pela Estrada da Ação Correta o leva ao Jardim do Compartilhar. Isto acontece bem naturalmente, enquanto se movimente em direção à consciência. Não podemos mais testemunhar dor e sofrimento sem desejar ajudar a mudar isso. Compartilhando sua senda e a transformação que ela trouxe, você pode ser um catalisador para a transformação dos outros.

Quando você chega ao ponto norte do continente, descobrirá a Cidade da Responsabilidade. Na cidade, experimentará viver em um estado de estar continuamente consciente de que está criando sua própria vida momento a momento. Será capaz de regozijar-se com o espetáculo eternamente mutável da forma, cor e sentimento. Testemunhará a beleza e movimento do Infinito da forma física ao redor e em você.

Nosso continente está rodeado de água. A água é o símbolo da bem-aventurança. O êxtase é a forma mais próxima para descrever o estado de ser que rodeia todos os jogos humanos.

Há dois aspectos da vida que são necessários em cada passo de sua jornada. São: Escolha e Risco. Nenhum crescimento acontecerá sem que você o escolha em primeiro lugar. Você deve verdadeiramente desejar transformação e escolher o estado de ser que deseja experimentar. Então esteja pronto para arriscar o velho por amor ao novo. Quer seja ultrapassar as Cavernas da Dor ou embarcar na Cidade da Responsabilidade Pessoal para o Mar do Êxtase, você deve sempre estar desejoso de aceitar os riscos. Abrace o arriscar-se como um estado natural no qual viver; Pois nesta senda, a vida nunca é previsível. É isso que torna tão divertido jogar no Continente dos Jogos Humanos.

Tradução de Ceres Eliza da Fonseca Rosas

Human Games (Cap 2) – Guiding Yourself into a Spiritual Reality – Tolly Burkan