Temas do encontro em Veranópolis

Palestra interativa: Construindo uma Orgonite Selfica
Com: Luiz Francisco Garavello

Orgonite

Orgonite: O termo “orgonite” foi primeiramente usado pelo pesquisador Karl Welz para designar a sua mistura de metal-resina-quartzo em meados da década de 90. A orgonite é feita de resina industrial, limalhas de metal e cristal de quartzo. A orgonite gera Orgone Positivo (‘Positive Orgone’ ou ‘POR’) enquanto absorve e transforma Orgone Mortífero (‘Deadly Orgone’ ou ‘DOR’) em Orgone Positivo. Portanto a orgonite funciona como um gerador de orgone, bastante diferente dos Acumuladores de Reich que apenas acumulam o Orgone sem o modificar. Dr. Wilhelm Reich (1897-1957) teve uma rica trajetória que o levou desde a Psicanálise, passando pela Biologia e pela Física. Buscou a cura do câncer durante anos. Considerava os tumores como o último dos estágios da doença. Acreditava que os desequilíbrios psíquicos eram o resultado de anos com sintomas aparentemente não relacionados com o câncer.

Orgone (mana): Está em todo o lado, na atmosfera, nos rios e no mar, na terra, nas plantas, animais e também nas pessoas. Um estado saudável de Orgone (Orgone Positivo) pode ser encontrado, por exemplo, num grupo de pessoas que se divertem, numa floresta, no topo de uma montanha ou nas brincadeiras de um grupo de golfinhos. O Orgone Positivo é expansivo, feliz, solar e inclusivo. Promove o crescimento e a abundância. No outro lado está o Orgone Mortífero: rígido, contraído, sem coração, frio e seco. Muitas das características do Orgone Mortífero têm sido erradamente atribuídas à natureza da Humanidade: a ganância, inveja, egoísmo, etc. – todas estas emoções nascem do Medo.

Selfica: É a disciplina que envolve a concentração e direção de energias vitais e inteligentes. Foi amplamente utilizada em Atlântida com vestígios do seu uso encontrado nas culturas egípcias, etruscas e celtas. Os árabes antigos usavam Selfica até o século VIII A.C.. O uso de estruturas em espirais metálicas, combinações geométricas, cores e minerais são capazes de acolher “energias inteligentes” (mana).

Luiz Francisco Garavello – Pesquisador de Huna e de outras escolas de autoconhecimento. Fez parte do grupo privilegiado de brasileiros que participou do Seminário Internacional Huna em 1993 no Havaí. Editou alguns números da revista “Petroglifo” com temática Huna e o Havaí. Escreveu vários artigos para o Boletim Huna. Produziu o vídeo Huna o Segredo do Havaí.

 

Palestra: Existem várias traduções da palavra Kabbalah ou seja Cabala em português, mas a real é: Conhecimento para poucos.
Com: Octacílio Cerqueira Junior

A Cabala do nome ou do seu chamamento esclarece as áreas principalmente da personalidade, do modo de proceder, mostra fases de vida, mudanças programadas incoscientemente e além disso coincidências (que não existem) com seus antepassados e muito mais. Mostra a responsabilidade da mãe e a interferência de terceiros na hora da escolha do nome.

Obrigado pela oportunidade
Octacilio Cerqueira Junior, vivendo atualmente em Garibaldi – RS
Prof. de matemática, operador de bolsa de valores desde 1970 e atualmente aposentado

 

Leia mais sobre o encontro