Quociente Intelectual, Quociente Emocional, Quociente Espiritual

Somos uma Consciência que tem por qualidades ser inteligente e ser capaz de exercer vontade. Para exercer vontade com inteligência é preciso, antes de tudo o mais, definir uma Intenção. Para tanto, nossa Consciência é um Campo de Energia de alta frequência vibratória que interage com o Cérebro, fazendo Enfoques. Esses enfoques são realizados através de uma alidade da Consciência denominada Mente. A origem de nossa Consciência está na Interação entre o Espírito Santo de Deus e nosso Cérebro, desde a formação no embrião. Salmo 82:6. “Eu disse, sois deuses, e vós outros são todos filhos do Altíssimo”. O Salmo deixa claro que alguns desenvolveram habilidades psíquicas (Kane), e que outros apesar de filhos do Altíssimo ainda não desenvolveram (Ku e Lono). O termo pequenos deuses se referem às Consciências que aprenderam como mobilizar uma forma de Energia através de enfoques mentais adequados, e essa energia aplicada de acordo com alguma intenção, produz um efeito manifestando a presença de uma força, um vetor de ação. Assim sendo, “todo Poder vem de dentro” do indivíduo, e não vem de fora.

Os enfoques Mentais podem ser objetivos, ou, subjetivos. Os enfoques objetivos são os que são feitos pela Consciência no cérebro, para gerar percepções relativas às impressões que o mesmo recebe a partir dos Órgãos dos Sentidos. Os enfoques subjetivos são os que são feitos pela Consciência no cérebro, para gerar percepções a partir de dados e informações registrados anteriormente no banco de memória do mesmo pelos enfoques objetivos, e para gerar percepções a partir de formas de energia que atinjam diretamente o cérebro, sem passar pelos órgãos dos sentidos; também para gerar uma fonte de energia que se manifesta como Habilidade Psíquica.

Todas as percepções se realisam em um “Centro de Consciência”, onde se trabalha com as Imagens, que são pontos de referência relativos aos dados e informações, que recebemos e armazenamos em um banco de memória física. Os enfoques mentais da Consciência em Introspecção são nesse Centro de Consciência, que foi denominado o reino dos céus pelo Senhor Jesus. “Ora não dizei vós, que o reino dos céus está aqui ou ali, porque o reino dos céus está dentro de vós”. É desse Centro de Consciência, do reino dos céus, que se formam as imagens que representam os resultados esperados (imaginação criativa) através dos enfoques mentais adequados.

Decodificando o Pai Nosso em função dessa perspectiva: “Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome”. Espírito Santo de Deus que estás dentro de mim, santificado seja o teu nome. “Venha a nós o teu reino, e seja feita a tua vontade, tanto na terra como no céu”. Venha a nós o teu Poder, e seja assim na terra como é nos céus. Portanto, que haja sempre o maior respeito à divindade que há dentro de nós e todo o Poder vem de dentro.

Sabemos que onze mil anos antes do Senhor Jesus, na tradição oral dos polinésios e havaianos, já havia esse conceito de “reino dos céus” e era denominado Milu. Também, antes dos polinésios, havia esse mesmo conceito na milenar tradição dos negros africanos de língua Yorubá, como sendo um lugar no centro da cabeça, onde vivem os mortos (nas Lembranças), as fadas, os duendes e outros mitos que sejam produto de nossa imaginação. Esse centro de consciência, em Yorubá, é denominado Orun Mila, ou, o “reino dos céus”. Tudo isso indica que o conhecimento a respeito de habilidades psíquicas e o conceito de reino dos céus eram mais antigos ainda.

O banco de memória física está composto por cinco diferentes Áreas do Córtex Cerebral, cada uma delas relativa a um órgão dos sentidos. Áreas: Táctil, Visual, Auditiva, Gustativa, Olfativa. Todo o conteúdo informático de um cérebro que possa ser acessado por um enfoque Mental Consciente, pode ser denominado Subconsciente, e este faz parte de um dos três aspectos da nossa Consciência que é denominada Eu Básico.

Cada uma das Áreas apresenta-se com três zonas funcionais: Zona Primária, aonde chegam os pulsos eletroquímicos procedentes dos órgãos dos sentidos. Zona Psicossensorial aonde os pulsos são analisados decodificados e percebidos psiquicamente. Zona Gnósica, onde as percepções são armazenadas como pontos de referência em cristais de proteína nova, que se forma de acordo com a percepção havida como Conscientização.

Assim sendo, basicamente, o Nível de percepção depende do nível da capacidade de imaginação.

Consideramos que um Sistema tem Consciência, quando ao receber um estímulo como Informação, o Sistema analisa, decodifica e percebe o significado da Informação. Portanto, entender é perceber o significado da informação. Compreender é aceitá-la como verdade, mas sob a perspectiva em que a informação foi passada. Mudando-se a perspectiva mudamos o tipo do entendimento, e assim mudamos o rumo da percepção, e consequentemente da Conscientização.

A Conscientização depende do tipo de percepção, e a percepção de uma informação depende da perspectiva em que o entendimento foi gerado, e ambos dependem do nível da capacidade de imaginação. É possível que se façam diferentes modos de Conscientização a partir de diferentes perspectivas usadas ao passarmos uma mesma informação. Sem dúvidas, “Sempre há outra maneira de se dizer ou fazer a mesma coisa”.

Considera-se que um Sistema é inteligente, quando ele é capaz de receber uma informação, analisar, decodificar, entender, e DEVOLVER a informação de modo exatamente igual à informação que foi fornecida, mas esta seria um tipo de inteligência normal básica e primária. O QI, Quociente de Inteligência é um fator que mede a Inteligência das pessoas com base em testes específicos, mas têm todo um histórico de mudanças de posicionamentos e de conceitos, porquanto não há dois cérebros iguais: nem, 1- quanto à quantidade e qualidade de informática em cada subconsciente, 2- nem, quanto à questão de treinamento do processo de raciocínio lógico, 3- nem, quanto ao desenvolvimento dos circuitos neurológicos e quanto ao nível de eficiência fisiológica relativa à sua utilização no decurso das idades. Depois de fazer 60 anos, pessoas que não mantém um treinamento anterior, perdem a capacidade de visualização, e depois dos 70 a maioria perdem completamente a capacidade de memória Lábil (capacidade de memorizar coisas novas). Apesar da relatividade nas medidas, podemos dizer que há possibilidade de aumentar o QI de 5% até 25% com exercícios mentais eficientes.

Quanto ao QE ou Quociente Emocional, não há duas pessoas que tenham passado pelo mesmo tipo de desenvolvimento na primeira infância e na segunda infância, portanto não há igualdade de sentimentos sofridos e emoções desenvolvidas. O que dizer então da puberdade até a plenitude do desenvolvimento físico até os 21 anos, e do desenvolvimento mental até os 28 anos, para que se possa estabelecer um padrão de Inteligência Emocional. No entanto podemos estimar as pessoas que tendo desenvolvido autocontrole, se adaptam as diferentes circunstâncias, e não deixam que os sentimentos e as emoções perturbem os processos racionais e o comportamento social, e então dizemos que elas têm QE.

Quanto à Espiritualidade percebemos que há uma grande confusão entre o desenvolvimento de Habilidades Psíquicas e a Espiritualidade propriamente dita. Podemos observar que em todas as Culturas de todos os Continentes há pelo menos 3% de pessoas com desenvolvimento Natural de Habilidades Psíquicas. Muitas delas atribuem as Habilidades Psíquicas à sua própria Psicorreligiosidade. Outros acreditam que são assessorados por algum tipo de Divindade. No entanto há pessoas que são eficientes em muitas habilidades psíquicas e que não acreditam em nada disso. A conclusão lógica é a de que as habilidades psíquicas são devidas ao desenvolvimento de circuitos neurológicos, sendo que muitos os têm, mas não estão funcionais, e outros não os têm completos, mas poderiam completar e ativar pela neuroplastia, devida a exercícios Mentais que estimulem a formação de novos circuitos neurológicos. Nós Temos Esses Exercícios.

A experiência de 43 anos de atividades com exercícios mentais mostra que o QI pode ser desenvolvido por exercícios Mentais feitos de modo Consciente, resultando na perfeita integração do Consciente com o Subconsciente, e havendo, portanto, reforço de Ego e de Autoconfiança. O QE (Quociente Emocional) pode ser desenvolvido juntamente com o QI, com a simultânea instalação de Amortecedores Psicológicos nos mesmos exercícios. Igualmente as Habilidades Psíquicas se desenvolvem com os exercícios Mentais feitos de modo Consciente, e todos os benefícios são desenvolvidos por Ato Moral Consciente.

Assim sendo Espiritualidade é uma Condição Individual, um Estado de Consciência, que temos quando decidimos ser Criativo e Construtivo, como supomos que a Divindade seja, e honesto puro limpo bom e positivo para com os semelhantes. Em outras palavras mudamos os padrões de comportamento (moral) e os valores éticos segundo a Huna, o que não deixa de ser uma “conversão”, conforme a filosofia cristã desenvolvida posteriormente pelo Apóstolo Paulo de Tarso.

As habilidades psíquicas mais comuns são devidas à Projeção Efetiva de Energia que ajuda os doentes, os enfermos, e influi sobre minerais, plantas, animais e pessoas. Telepatia, vidência e clarividência, são devidas a um enfoque Mental adequado em frequência mais elevada do que as anteriores. Mana-Mana (Manah em dobro).

As habilidades psíquicas menos comuns são as que resultam em Materialização e Desmaterialização, bem como as que resultam em influência sobre as forças da Natureza, como intervir no fluxo dos ventos, fazendo vir chuva, ou, a formação de uma tempestade no mar, ou ainda, acalmar os ventos e acabar com a tempestade e as ondas do mar. Mana Loa (Manah sem limites de distância).

Assim sendo, podemos considerar que há diferentes Níveis de Consciência, quando trabalham com enfoques mentais adequados em diferentes dimensões de frequência vibratórias, desenvolvendo diferentes níveis de Energia. Há os que são Naturais, há os que aprendem a fazer isso com exercícios mentais adequados, e há os que dificilmente aprendem por não aceitar os exercícios adequados antes dos 49 anos, sendo que alguns conseguem antes dos 56 anos de idade (fim da segunda idade). Experimentem essa realidade fazendo exercícios mentais que duram 32 horas para maiores do que 28 anos. Menores de 28 anos podem obter bons resultados em 24 horas de exercícios. A fixação de todos os pontos de referência subjetivos pode exigir três séries de exercícios para alguns indivíduos mais idosos.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel, Licenciado, Especialista, USP, 1955. Dúvidas? diasmind@uol.com.br