Escolhendo a si mesmo

À medida que permitimos confiar em nosso Amor por nós mesmos e em nossos desejos, descobriremos que não estamos mais sozinhos, porque entramos em contato com nosso potencial criativo; criamos novas idéias, novos sonhares e passamos a contribuir para que este mundo seja um lugar maravilhoso para se viver.

Viemos a esse mundo para nos tornarmos indivíduos, pessoas que pensam diferente uns dos outros, sem perdermos contato com a unificação, com a parte divina que cada um tem.

Quanto mais amarmos a nós mesmos, mais amor teremos para dar e passaremos, por vontade própria, a ter a verdadeira compaixão pelo nosso próximo. Não somente aquele apoio momentâneo em uma necessidade desesperada, mas seremos a própria bondade a ser compartilhada.

Se ao fazermos uma escolha baseada em nossa própria experiência, escolhermos apoiar e ajudar a nós mesmos,poderemos fazê-lo com alegria, pois seremos nós a formar o próprio destino,compartilhando o nosso real potencial com mais alguém: é o AMAR com, é ALOHA!

Se nos permitirmos ter paciência, estaremos abertos aos nossos próprios sentimentos, à nossa riqueza interior, e se meditarmos sobre o que queremos fazer, concluiremos por nós mesmos,chegaremos às nossas próprias respostas, sem levar em conta o que os outros pensam ou querem. O contrário só nos traria carência, que é sinônimo de preocupação e insatisfação. A carência traz limitação em vez de abundância, traz debilitação em vez de juventude e vitalidade.

É muito importante que cuidemos do nosso corpo, que o acarinhemos, que agradeçamos as funções que recebemos. Somos seres sagrados e vivemos num mundo também sagrado, onde tudo e todos estão interligados na grande rede da vida que nos une a todo o universo numa única teia.
Cuidemos para que nosso corpo receba momentos de repouso e movimentação de energias, banhos repousantes e água o quanto baste.

Amar-se é um grande despertar, é termos nossas próprias experiências. A Essência que nos apóia sempre esteve presente dentro de nós.
Muitos são os caminhos a escolher, lembrem-se, pois, que a carência é o que há de mais insensato, a nossa tendência é esquecermos tudo o que de bom foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas. E sofrer por que?

Estejamos em nós mesmos, sejamos nós mesmos, sejamos alegres, co-criadores uma vez mais e veremos que a vida é exatamente o que queremos que seja, completamente amorosa e para sempre amorosa.
Esse mundo é nosso e temos que torná-lo melhor. Celebremos pois uns aos outros e a nós mesmos; o mundo refletirá isso e será um lugar melhor.

Não precisamos de permissão para nada, não precisamos de sofrimentos nem de sacrifícios. Ergamo-nos acima das crenças e vivamos maravilhados e com alegria, em parceria uns com os outros, sem condições, sem expectativas, sem julgamentos, sejamos o AMOR em ação.
Os desafios sempre existirão, mas o crescimento também. Sonhemos, pois! Mahalo!


Maria Luiza Parreiras Parisi
Grupo de Estudo Huna Arco-Iris – Poços de Caldas – MG

O Conhecimento dos Segredos da Vida