Todos os post de Heloisa Emer

E MANA ME KA MAKA’I: “Faça o Seu Melhor”

Por meio da INTENÇÃO, a luz da sua alma, que é o AMOR, consciência e felicidade, enche o seu coração.

Perceba o pulsar do coração e expanda a luz e o calor para as palmas das mãos, elas são as ASAS do coração. Dele um ponto de luz radiante, pulsa incessante, enquanto você imagina:

– Imagine que o seu melhor pode amparar aos que necessitam de cura e diga: “faço o meu melhor”.

– Imagine que as suas intenções podem levar alegria e riso aos que sofrem: “faço o meu melhor”.

– Imagine que seus pensamentos influem nas forças naturais do universo, que você pode interagir com a chuva, o sol, nuvens ou arco-íris: “faço o meu melhor”.

– Imagine que cada pensamento que tem, cada palavra que pronuncia, cada ação que realiza, tem como resultado algum benefício para o mundo: “faço o meu melhor”.

Sempre usando seu corpo de imaginação, corpo de luz ou ETÉRICO, continue imaginando:

– O universo inteiro está representado em meu interior. Quando vejo o mundo o manifesto, represento, pois estou conectado a tudo que me torno consciente. Eu não estou no universo, o universo está em mim.

– Imagine que você é um cristal multifacetado, refletindo a luz de todos os seres sensitivos, assim como reflete a luz do universo: “faço o meu melhor”.

– Imagine que você é uma ínfima partícula do universo, conectado às demais e que você é eterno e em perene mudança. Pois é o que você É.

E MANA ME KA MAIKA’I

Gratidão

No mundo espiritual a gratidão nos conecta com Deus e com seu Espírito. No mundo natural, olha que interessante: a Neurociência explica o poder da gratidão no nosso corpo. Quando geramos sentimentos de gratidão em nossos pensamentos ativamos o sistema de recompensa do cérebro, localizado numa área chamada Núcleo Accumbens. Este sistema é responsável pela sensação de bem-estar e prazer do nosso corpo.

Quando o cérebro identifica que algo de bom aconteceu, que fomos bem-sucedidos e que existem coisas na nossa vida que merecem reconhecimento e somos gratos por isso, ocorre liberação de dopamina, um importante neurotransmissor que aumenta a sensação de prazer.

Por isso, pessoas que manifestam gratidão vivem com níveis elevados de emoções positivas, satisfação com a vida, vitalidade e otimismo. A gratidão deve ser construída pelo nosso pensamento.

Construa o reconhecimento interno pensando em suas conquistas. Por outra via neural, a gratidão estimula as vias cerebrais para a liberação de outro hormônio chamado ocitocina, que estimula o afeto, traz tranqüilidade, reduz a ansiedade, o medo e a fobia.

Exercitar o sentimento de gratidão dissolve o medo, a angústia e os sentimentos de raiva. Fica mais fácil controlar os estados mentais tóxicos e desnecessários. O nosso cérebro não é capaz de sentir ao mesmo tempo gratidão e infelicidade. Você é quem faz a escolha.

Ocupe seu espaço interno e exercite diariamente a gratidão. Para fazer com que seu dia comece de forma positiva, já pela manhã experimente pensar nos diversos motivos que você tem para sentir gratidão. E termine seu dia refletindo sobre as realizações que lhe deram prazer.

A Vida é uma Dança

Quando uma porta se fecha, outra se abre; quando um caminho termina, outro começa… nada é estático no Universo, tudo se move sem parar e tudo se transforma sempre para melhor.
Habitue-se a pensar desta forma: tudo que chega é bom, tudo que parte também.
É a dança da vida… dance-a da forma como ela se apresentar, sem apego ou resistência.
Não se apavore com as doenças… elas são despertadores, têm a missão de nos acordar. De outra forma permaneceríamos distraídos com as seduções do mundo material, esquecidos do que viemos fazer neste planeta.
O universo nos mandou aqui para coisas mais importantes do que comer, dormir, pagar contas…
Viemos para realizar o Divino em nós.
Toda inércia é um desserviço à obra divina.
Há um mundo a ser transformado, seu papel é contribuir para deixá-lo melhor do que você o encontrou. Recursos para isso você tem, só falta a vontade de servir a Deus servindo aos homens.
Não diga que as pessoas são difíceis e que convivência entre seres humanos é impossível.
Todos estão se esforçando para cumprir bem a missão que lhes foi confiada.
Se você já anda mais firme, tenha paciência com os seus companheiros de jornada.
Embora os caminhos sejam diferentes, estamos todos seguindo na mesma direção, em busca da mesma luz.
E sempre que a impaciência ameaçar a sua boa vontade com o caminhar de um semelhante, faça o exercício da compaixão.
Ele vai ajudá-lo a perceber que na verdade ninguém está atrapalhando o seu caminho nem querendo lhe fazer nenhum mal, está apenas tentando ser feliz, assim como você.
Quando nos colocamos no lugar do outro, algo muito mágico acontece dentro de nós: o coração se abre, a generosidade se instala dentro dele e nasce a partir daí uma enorme compreensão acerca do propósito maior da existência, que é a prática do AMOR. Quando olhamos uma pessoa com os olhos do coração, percebemos o parentesco de nossas almas.
Somos uma só energia, juntos formamos um imenso tecido de luz… Não existem as distâncias físicas.
A Física Quântica já provou que é tudo uma ilusão. Estamos interligados por fios invisíveis que nos conectam ao Criador da vida.
A minha tristeza contamina o bem-estar do meu vizinho, assim como a minha alegria entusiasma alguém do outro lado do mundo.
É impossível ferir alguém sem ser ferido também, lembre-se disso.
O exercício diário da compaixão faz de nós seres humanos de primeira classe.

André Luiz

Ritmos do Corpo, da Consciência e da Terra

Ritmos do Corpo, da Consciência e da Terra

Nossa realidade existe independente de nossa consciência orientada fisicamente. Existem vários tipos de memória, informações que podem estar à nossa disposição quando precisarmos delas. Alguns dados raramente são requeridos conscientemente, mas estão sempre disponíveis para as porções inconscientes do eu.

Nossa percepção precisa ser interpretada por meio de nossa estrutura neurológica e da vitalidade do corpo, que possui interações químicas. Isto ocorre juntamente com nossos pensamentos. As lembranças seguem o fluxo regular dos elementos químicos.

Biologicamente o alcance e a capacidade de nossa consciência fisicamente orientada, têm relação direta com a duração das estações e os ciclos de dias e noites. Os ritmos de nosso corpo e da nossa consciência seguem os padrões da terra. O planeta é composto de átomos e moléculas, cada um com seu próprio tipo de consciência. A estrutura do planeta é formada da associação consciente e cooperativa entre eles. Possui uma programação precisa de noite e dia, assim nossa consciência está adequada a terra. São a representação de ritmos inatos de nossa consciência fisicamente materializada, através de fenômenos naturais.

Ainda não estamos equipados para perceber dias de maior duração, pois nosso sistema nervoso teria dificuldades em um ritmo mais longo, como um ser três ou quatro vezes mais longo. Na formação da terra, houve uma troca constante entre as realidades interior e exterior. O desenvolvimento de sentimentos, sensações, identidade, conceitos e crenças foi acompanhado pelas manifestações exteriores da espécie animal, dos minerais e vegetais.

Com eles vieram as estruturas neurológicas complementares e as formações físicas precisas, como montanhas, vales, oceanos e assim por diante, necessárias para sustentá-los. Em termos mais amplos, todos esses eventos ocorrem simultaneamente, mas para nossa percepção vemos como uma linha do tempo.

Nossos sentimentos são parte tão natural do meio-ambiente como as árvores, têm efeito sobre a atmosfera. Conexões que podem ser feitas, entre ataques de epilepsia e os terremotos, onde grande energia e instabilidade se unem, afetando as propriedades físicas da terra.

O Silêncio

Onde quer que você esteja, seja a alma deste lugar…
Discutir não alimenta.
Reclamar não resolve.
Revolta não auxilia.
Desespero não ilumina.
Tristeza não leva a nada.
Lágrima não substitui suor.
Irritação intoxica.
Deserção agrava.
Calúnia responde sempre com o pior.
Para todos os males, só existe um medicamento de eficiência comprovada.
Continuar na paz, compreendendo, ajudando, aguardando o concurso sábio do tempo, na certeza de que o que não for bom para os outros não será bom para nós…
Pessoas feridas ferem pessoas.
Pessoas curadas curam pessoas.
Pessoas amadas amam pessoas.
Pessoas transformadas transformam pessoas.
Pessoas chatas chateiam pessoas.
Pessoas amarguradas amarguram pessoas.
Pessoas santificadas santificam pessoas.
Quem eu sou interfere diretamente naqueles que estão ao meu redor.
Acorde…
Se cubra de Gratidão, se encha de Amor e recomece…
O que for benção pra sua vida, Deus te entregará, e o que não for, ele te livrará!
Um dia bonito nem sempre é um dia de sol…
Mas com certeza é um dia de Paz.

Chico Xavier

O Universo Fala a Cada Um de Nós

Seus pensamentos futuros e atos, são tão reais nas múltiplas dimensões, como se já tivessem ocorrido, e muito como parte de seu desenvolvimento. Você não é só formado de seu passado, mas por seu futuro e velhas existências alternadas. Estas grandes interações são apenas uma parte da estrutura de sua alma. Então você pode mudar a realidade presente como você a entende, a partir de qualquer dessas outras camadas de consciência.

Qualquer uma dessas várias camadas de consciência pode ser usada como uma consciência ativa normal, a realidade que é vista daquele ponto de vista específico.

De alguns pontos de vista, a matéria física, tem pequena ou nenhuma permanência, enquanto que para outros pontos, seus próprios pensamentos têm aspecto e forma, percebidos pelos espectadores, mas não por si mesmo.

Viajando pelos estados de consciência, as outras personalidades tentam atingir algum foco e perceber esse ambiente, procurando sentido, considerando que muitas delas não têm ideia de tempo ou intervalo entre eventos, nem percebem a organização interna que se empurra sobre nosso ambiente normal.

O nosso é obviamente também um sistema provável para outros campos, também tocados pelo campo das probabilidades.

O mundo exterior é reflexo do interior.

Todo mundo tem acesso ao conhecimento intuitivo e pode obter informações da realidade interna. O UNIVERSO FALA A CADA UM DE NÓS.

Sábio conselho: “Nunca mexa com o silêncio de ninguém, se não souber lidar com o barulho. Ninguém anda só.”

Éter

O Éter, imóvel, invisível e contínuo, que conduz as ondas luminosas de estrela a estrela, de átomo a átomo.

“Não somos produtos de reações químicas e sim de uma carga energética.”

Não existe eu e os outros, existe um campo de força que está em tudo e de onde a existência surge.

Esse campo e tudo mais, nosso coração, nosso cérebro, memória, a fonte motriz do mundo.

A fonte além dos genes, que determinam se estamos ou não saudáveis. E ao mesmo tempo é a força utilizada para a cura.

Einstein disse: “o campo é a única realidade”.

Quando nos abrimos para a nossa multidimensionalidade, buscamos energia para agir a partir de fontes inconscientes. Percebe-se a partir de outros ângulos e dimensões e não apenas da dimensão física.

Se você vislumbrar o eu total, você percebe a natureza de outras realidades não físicas.

“Toda mínima experiência tem mais repercução nos aspectos multidimensionais, do que o cérebro físico pode perceber.”

Seria a consciência Crística ou Cristalina?

Seria o espírito coletivo do mundo, de todas as consciências combinadas?

A natureza de Buda (iluminado), Crística (cristal) ou simplesmente “o grande spiritum” do universo. O espírito da unidade, do amor, da criatividade que move cada um.

Todos lúcidos que chamamos Mestres, disseram que podíamos ser como eles, agir como eles.

“EU SOU O CAMINHO”, significa: “sejam assim”, não significa seguir alguém.

A chama, a energia, a Luz, está dentro de nós, em nenhum outro lugar.

Não procure fora se a causa está dentro.

Estar Consciente

Estar consciente é saber ser possível resgatar o próprio PODER.

Estar consciente é perceber intenções, intuições, orientações, incluindo os fatos sincrônicos.

É entender a mente divina com a mente humana.

Consciente de quem você é e deseja ser, com uma enorme certeza de ser possível realizar a “magia” em sua vida.

Para isso é preciso: reconhecimento, aceitação e clareza.

Permitir que tudo seja como é.

Na realidade quântica, tudo é possível e está em gestação num lugar de pura energia.

Tudo que nasce em nós provém dessa fonte quântica de possibilidades de existência: fantasias, expectativas, paixões, ponderações e qualquer possibilidade na existência.

Com nossas crenças damos vida às maiores alegrias e aos mais negros momentos.

Como arquitetos da realidade, tudo está a nossa disposição, nesse local dimensional de potencial criativo.

A matriz divina contém o universo, a ponte que interliga tudo e o espelho que mostra todas as nossas criações.

Nós criamos a nossa realidade, o mundo é o que penso que ele é.

Se uma rede cósmica interconecta tudo, no micro e no macrocósmos, “como é em cima é como o que está embaixo”, toda a teoria da RECONEXÃO, por que insistimos em acreditar que estamos separados da fonte da criação?

Quando e por que desconectamos?

Não há realmente separação entre consciência e matéria. Se não nos reconectamos  a um sistema unificado de esclarecimento e compreensão da vida e do universo, não manifestaremos o potencial co-criador que nos habita. E só o faremos falando a linguagem da emoção humana.

A ciência moderna descobriu que é a emoção que processa mudanças químicas de coisas como o pH e hormônios.

Assim negamos ou afirmamos a existência, a cada momento: amor, compaixão, perdão, ou ódio, julgamento, inveja.

Somos dotados do poder de afirmar ou negar a existência, todos os dias e a cada momento.

Parece simples… se pensarmos positivamente, seu corpo e o mundo gerará o reflexo daquilo que você é.

Sim… Tudo é energia, frequência e vibração.

Amor e Ódio

Amor e Ódio

Amor e ódio, baseiam-se ambos na auto-identificação, não nos damos ao trabalho de amar ou odiar pessoas com as quais não nos identificamos, praticamente não nos afetam. Não nos induzem a uma emoção profunda.

O ódio sempre envolve um sentido doloroso de separação do amor, que pode ser idealizado. Uma pessoa contra quem, em determinado momento, temos um forte sentimento, perturba-nos porque não correspondeu às nossas expectativas. Quanto maiores nossas expectativas, maior parecerá qualquer divergência com ela. Se odiamos um de nossos pais, é precisamente porque esperávamos esse amor. Jamais sentiremos rancor de uma pessoa de quem não esperamos nada.

De um modo estranho, o ódio é um meio de voltar ao amor, e, quando expresso, tem por fim comunicar a separação que existe em relação ao que era esperado. O amor, portanto, pode, muito sutilmente, conter ódio. O ódio pode conter amor e ser guiado por ele, especialmente por um amor idealizado.

Odiamos algo que nos separa de um objeto amado, porque o objeto é amado, que passa a ser tão detestado caso não corresponda às nossas expectativas. Podemos amar nossos pais, mas se parecer que eles não retornam esse amor e não correspondem nossas expectativas, poderemos então “odiá-los” por causa do amor que nos leva a esperar mais.

O ódio tem a finalidade de devolver-lhe nosso amor, deve fazer-nos comunicar-nos, declarando nossos sentimentos, aclarando o ar, por assim dizer, e levando-nos para mais perto do objeto amado. O ódio não é negação do amor, mas uma tentativa de recuperá-lo e um reconhecimento doloroso de circunstâncias que nos separam dele. Se entendêssemos a natureza do amor, seriamos capazes de aceitar nossos sentimentos de ódio. A afirmação pode incluir a expressão dessas emoções fortes.

Os dogmas ou sistemas de pensamento que nos dizem para elevar-nos acima de nossas emoções, podem ser enganosos, até um tanto perigosos. Essas teorias baseiam-se no conceito de que há algo inatamente destrutivo, abjeto ou errado na natureza emocional do homem, enquanto a alma é sempre representada como sendo calma, “perfeita”, passiva e insensível. Apenas a percepção mais elevada, bem-aventurosa, é permitida. A alma, porém, é, acima de tudo, uma fonte de energia, criatividade e ação, que mostra suas características na vida precisamente através das emoções, que mudam constantemente. Confiando neles, nossos sentimentos nos levarão a estados espirituais de mística compreensão, calma e tranquilidade. Seguidas, nossas emoções nos levarão a profundos entendimentos, mas nós não podemos ter um eu físico sem emoções, assim como não podemos ter um dia sem condições climáticas. No contato pessoal, o indivíduo pode ter grande consciência de seu amor constante por outra pessoa, mas ainda reconhecer momentos de ódio, quando percebe separações das quais se ressente por causa do amor envolvido.

Da mesma forma, é possível amar nossos semelhantes em uma escala grandiosa, embora às vezes os odiemos precisamente por parecerem não merecer esse amor. Ficamos raivosos contra a humanidade, porque a amamos. Negar a existência do ódio, então, é negar o amor, essas emoções não são opostas, elas são aspectos diferentes de uma mesma coisa. Até certo ponto, desejamos nos identificar com aqueles por quem temos fortes sentimentos.

A pessoa não ama alguém simplesmente porque associa porções de si ao outro, mas porque, em geral, o outro evoca, dentro dela, vestígios de seu próprio eu “idealizado”. A pessoa amada tira o melhor de nós, nos olhos dela, vemos aquilo que podemos ser. No amor do outro, percebemos nosso potencial. Isso não significa que, na pessoa amada, esteja apenas reagindo a nosso próprio eu idealizado, podemos igualmente ver no outro nosso próprio potencial idealizado.

Esse é um tipo peculiar de visão compartilhada pelos envolvidos, é uma visão muito capaz de perceber a diferença entre o comportamento e o ideal, de modo que nos períodos ascendentes do amor, as discrepâncias de comportamento, digamos assim, são ignoradas e consideradas relativamente sem importância. O amor está sempre mudando, naturalmente. Não existe um único estado (permanente) de atração mútua profunda em que duas pessoas fiquem envolvidas eternamente. Como emoção, o amor é móvel e pode mudar muito facilmente para a ira ou ódio, e depois voltar. Na estrutura da experiência, o amor pode ser predominante mesmo quando não é estático; e se o for, haverá sempre uma visão do ideal, assim como certo aborrecimento por causa das diferenças que ocorrem naturalmente entre a realidade e a visão.

Em geral nos é ensinado a reprimir as expressões verbais de ódio, mas também nos dizem que os pensamentos inspirados pelo ódio são tão maus como as ações ditadas pelo ódio. Somos condicionados a sentir-nos culpados diante da simples idéia de odiar alguém. Tentamos esconder esses pensamentos de nós mesmos. Talvez consigamos fazer isso tão bem que, em nível consciente, literalmente não saibamos o que estamos sentindo. As emoções estão presentes, nos são invisíveis porque temos medo de encará-las. Estamos divorciados de nossa realidade, desligados de nossos sentimentos de amor. Estados emocionais rejeitados podem ser projetados exteriormente sobre outras pessoas: um inimigo na guerra, um vizinho. Mesmo que percebamos estar odiando o inimigo simbólico, terá também consciência de uma forte atração. Um laço de ódio nos unirá, mas o laço foi originalmente baseado no amor. Exacerbamos e exageramos tudo que nos difere do ideal, focalizando predominantemente essas diferenças. Tudo isso estará conscientemente disponível para nós, é preciso apenas uma tentativa honesta e determinada de conscientizar-nos de nossos próprios sentimentos e crenças. Fantasias odiosas nos farão voltar-nos para uma reconciliação, liberando amor.