Associação de Estudos Huna

Artigos

Raiva

Raiva

Uma das emoções mais destrutivas é a raiva. A meta última da transformação e auto-conhecimento é a ILUMINAÇÃO, que é o estado perpétuo de consciência da UNIDADE. A CONSCIÊNCIA CONSTANTE de que você e todos no universo, estão ligados por fios de energia, na grande teia cósmica.

A raiva traz danos a nós e aos demais, pois é a direção oposta da iluminação e da consciência da UNIDADE.

Altera sua harmonia física, mental, existencial, e só diz respeito ao EGO, tirando você da sincronicidade com o Todo, te emperra, quando não te puxa para trás, te afasta das mensagens transformadoras do universo.

Portanto é melhor se afastar dessa forma de turbulência, explodir a raiva resulta em quase nada, a não ser destilar veneno, o que a faz crescer ainda mais.

O objetivo não é avivar a raiva e nem enterrá-la, reprimindo-a. Mas transformá-la, como qualquer emoção negativa.

Primeiro admita que você está sentindo, em que parte do corpo? Sinta-a o mais objetivamente possível. Respire, identifique-a como uma DOR emocional e vá liberando-a, para abrir caminho para a sincronicidade, o seu contato com o EU MAIOR.

IKE LA’A KEA

Artigos

Uma Oração para os Novos Tempos

Que honremos o fato de ter nascido, e que saibamos desde cedo que não basta rezar um Pai Nosso para quitar as falhas que cometemos diariamente. Essa é uma forma preguiçosa de ser bom. O sagrado está na nossa essência, e se manifesta em nossos atos de boa fé e generosidade, frutos de uma percepção profunda do universo, e não de ocasião. Se não estamos focados no bem, nossa aclamada religiosidade perde o sentido.

Que se perceba que quando estamos dançando, festejando, namorando, brindando, abraçando, sorrindo e fazendo graça, estamos homenageando a vida, e não a maculando. Que sejam muitos esses momentos de comemoração e alegria compartilhados, pois atraem a melhor das energias. Sentir-se alegre não deveria causar desconfiança, o espírito leve só enriquece o ser humano, pois é condição primordial para fazer feliz a quem nos rodeia.

Que estejamos abertos, se não escancaradamente, ao menos de forma a possibilitar uma entrada de luz pelas frestas – que nunca estejamos lacrados para receber o que a vida traz. Novidade não é sinônimo de invasão, deturpação ou violência. Acreditemos que o novo é elemento de reflexão: merece ser avaliado sem preconceito ou censura prévia.

Que tenhamos com a morte uma relação amistosa, já que ela não é apenas portadora de más notícias. Ela também ensina que não vale a pena se desgastar com pequenas coisas, pois no período de mais alguns anos estaremos todos com o destino sacramentado, invariavelmente. Perder tempo com picuinhas é só isso, perder tempo.

Que valorizemos nossos amigos mais íntimos, as verdadeiras relações pra sempre.

Que sejamos bem-humorados, porque o humor revela consciência da nossa insignificância – os que não sabem brincar, se consideram superiores, porém não conquistam o respeito alheio que tanto almejam. Ria de si mesmo, e engrandeça-se.

Que o mar esteja sempre azul, que o céu seja farto de estrelas, que o vinho nunca seja proibido, que o amor seja respeitado em todas as suas formas, que nossos sentimentos não sejam em vão, que saibamos apreciar o belo, que percebamos o ridículo das ideias estanques e inflexíveis, que leiamos muitos livros, que escutemos muita música, que amemos de corpo e alma, que sejamos mais práticos do que teóricos, mais fáceis do que difíceis, mais saudáveis do que neurastênicos, e que não tenhamos tanto medo da palavra felicidade, que designa apenas o conforto de estar onde se está, de ser o que se é e de não ter medo, já que o medo infecciona a mente.

Que nosso Deus, seja qual for, não nos condene, não nos exija penitências, seja um amigo para todas as horas, sem subtrair nossa inteligência, prazer e entrega às emoções que nos fazem sentir plenos.

A vida é um presente, e desfrutá-la com leveza, inteligência e tolerância é a melhor forma de agradecer – aliás, a única.

Martha Medeiros

Boletins

Boletim 132

O primeiro boletim de 2019, aberto a todos, é um presente inspirador que oferece dicas essenciais: “A palavra tem PODER. EU CRIO enquanto falo”.

Ótimo estudo aos associados e amigos.

IKE LA’A KEA

Artigos

Medo é a Crença no Mal

Nego submeter-me ao medo,
Que tira a alegria de minha liberdade,
Que não me deixa arriscar nada,
Que me torna pequeno e mesquinho,
Que me amarra,
Que não me deixa ser direto e franco,
Que me persegue,
Que ocupa negativamente a minha imaginação,
Que sempre pinta visões sombrias.
No entanto, não quero levantar barricadas
por medo do medo.
Eu quero viver, não quero encerrar-me.
Não quero ser amigável por medo de ser sincero.
Quero ser firme porque estou seguro.
E não porque encobri meu medo.
E quando me calo quero fazê-lo por amor.
E não por temer as consequências de minhas palavras.
Não quero acreditar em algo só por medo de acreditar.
Não quero filosofar por medo de que algo possa atingir-me de perto.
Não quero dobrar-me só porque tenho medo de não ser amável.
Não quero impor aos outros, pelo medo de que possam impor a mim.
Por medo de errar não quero tornar-me inativo.
Não quero fugir de volta para o velho, o inaceitável, por medo de não me sentir seguro no novo.
Por convicção e amor, quero fazer o que faço e deixar de fazer o que deixo de fazer.
Do medo quero arrancar o domínio e dá-lo ao amor.
E quero muito crer no reino que existe em mim.

Rudolf Steiner