Associação de Estudos Huna

Boletins

Boletim 138

Nos dias de mudanças em que vivemos, precisamos nos redirecionar e reinventar. A IMAGINAÇÃO e EMOÇÕES são instrumento para tanto.

O boletim de número 138 vem apontando isso e nos capacitando telepaticamente, para exercer nosso potencial criador.

IKE LA’A KEA

Artigos

Pincel

“Aquele que não cria o futuro que quer, deve aceitar o futuro que recebe.”

Os ventos da mudança se fazem presente e podem e devem serem dirigidos.

A imaginação é o PINCEL de nossas criações.

Veja toda a beleza que você deseja e acrescente cor e encanto.

Quanto mais detalhado o seu sonho, mais tangível torna-se a intenção.

Veja as pessoas incorporarem ideias mais saudáveis e compassiva.

Veja-as vivendo em harmonia e cooperação entre elas. Cuidando-se e respeitando o planeta.

Tudo começa nas mentes e nos corações.

Como co-criadores da Nova Terra, temos a capacidade de ativação da rede planetária para sustentar o influxo de LUZ.

As crenças que só atrasaram a humanidade e que bem identificamos: a ganância, a avareza, o abuso de poder, estão ruindo por si, já não cabem na nova frequência da Terra.

Um novo sistema, baseado na integridade, na generosidade, na equidade, na compaixão, no Bem de todos, deve ser implantado na Nova Terra.

Encerre sempre sua visualização com uma atmosfera verde esmeralda com nuances douradas.

E assim está feito.

Artigos

Na Vibração do TER e do SER

A presença da SABEDORIA, torna desnecessário o sofrimento.

Podemos tudo quando fluímos na alegria e conectamos com a fonte ou poder Divino.

Promover mudanças em nossa vida, requer atitudes, ou seja, por em prática o que queremos.

Nenhuma teoria tem valor se não for praticada, pois não é o conhecimento, mas a vivência é que nos torna sábios.

E sábio é aquele que executa, conhecedor é aquele que retêm o conhecimento.

A vida se baseia em constante aprendizado e busca pelo novo, sempre há algo a aprender.

É melhor ser pratico do que conhecedor. Pensar positivo não basta, todos já experimentaram isso, mas se colocar em harmonia com seus desejos e sonhos, requer mais do que pensar positivo.

É preciso entrar no fluxo, é um movimento interno, é uma frequência de se colocar em sintonia com a alegria da fonte criadora.

De nada adianta ficar repetindo as mesmas ideias e comportamentos de limitação e espera.

É como dizer aos outros como se usa um martelo, mas quando você usa, acerta do dedo e não no prego.

Indicam o caminho, mas não trilham o caminho.

O muito falar e o muito pensar, não produzem as mudanças que você quer. Você convoca a energia da fonte, mas não anda, não solta as resistências, os freios emocionais e não vão na direção do que querem e na maioria das vezes, nem sabem o que querem.

O medo, apego e orgulho nos mantém rígidos no mesmo lugar.

Ir adiante, firme e convicto, sem nenhum vestígio de medo e com todo o poder do amor, conectado com o seu melhor, o que faz você feliz e promove o bem.

Acredite na manifestação dos elementos, basta que se solte internamente, vibrando na alegria emocional da sua própria essência Divina, sem nenhum esforço, na frequência do tudo poder.

Vibrando na Luz.

Artigos

Ode ao Desapego

As realidades maiores e mais belas. Tanto mais terás quanto menos as possuíres e retiveres.

Se queres ter o mar, contempla-o e abre tuas mãos em suas águas. E todo mar estará nelas.

Porque se fechas tuas mãos para retê-lo, elas ficarão vazias.

Se queres ter um amigo peregrino, deixa-o o ir e o terás, porque se o retém para possui-lo o estarás perdendo, e… terás um prisioneiro.

Se queres ter o vento, estenda teus braços e as tuas mãos e todo vento será teu , porque se quiseres retê-lo, ficarás sem brisa.

Se queres ter o teu filho, deixe-o partir e que se distancie. E o terás maduro a seu regresso, porque se o retém protegido, o perdes para sempre.

Se queres ter o SOL, contempla-o de olhos aberto, porque se o fechas, para reter a luz que já alcanças, ficará às escuras…

Se queres viver o gozo do ter, liberta-te da mania de possuir e reter…

Curte a borboleta que revoa, curte o rio que corre fugidio, curte a flor que abre que se abre face ao céu, curte tudo sem possuir ou reter.

Somente assim, curtiras a vida, sabendo que a tens, sem possuí-la, deixando-a correr, sem retê-la.

Héctor Oscar Burgos

Artigos

Os Sete Eus

No momento mais silencioso da noite, estando eu deitado semiadormecido, os meus sete eus sentaram-se e assim conversaram, murmurando:

Primeiro Eu:

Aqui, neste louco, habitei todos estes anos, sem nada para fazer senão renovar a sua dor de dia e recriar a sua mágoa de noite. Não suporto mais o meu destino e agora rebelo-me.

Segundo Eu:

Irmão, o teu destino é melhor do que o meu, pois cabe-me a mim ser o eu feliz deste louco. Rio o seu riso e canto os seus momentos felizes e com pés três vezes alados danço os seus pensamentos mais brilhantes. Sou eu quem se quer revoltar contra a fatigante existência.

Terceiro Eu:

E então eu, o dominado pelo amor, a marca flamejante da paixão selvagem e dos desejos fantásticos? Sou eu, o doente de amor, quem se quer revoltar contra este louco.

Quarto Eu:

De entre todos vós, sou o mais infeliz, porque nada me foi dado senão ódio abominável e aversão destrutiva. Sou eu, o eu semelhante à tempestade, o que nasceu nas cavernas negras do Inferno, quem deveria protestar contra servir este louco.

Quinto Eu:

Não, sou eu, o pensador, o eu pleno de fantasias, o eu da fome e da sede, o que está condenado a deambular sem descanso em demanda de coisas desconhecidas e ainda por criar; sou eu, não vós, quem se deveria revoltar.

Sexto Eu:

E eu, o que trabalha, o obreiro que inspira piedade, que, com mãos pacientes, e olhos sonhadores, molda o dia em imagens e dá aos elementos novas e eternas formas – sou eu, o solitário, quem se deveria revoltar contra este louco irrequieto.

Sétimo Eu:

Que estranho que todos vós vos queirais revoltar contra este homem, tão-só porque cada um tem um destino pré-determinado a realizar.

Ah! Pudesse assemelhar-me a um de vós, um eu com um destino determinado! Mas não tenho nenhum, sou o que nada faz, aquele que se senta no nenhures e no nunca mudos e vazios, enquanto vós estais ocupados a recriar a vida. Sois vós ou eu, vizinhos, quem se deveria revoltar?

Quando o sétimo eu assim falou os outros seis olharam-no com piedade, mas nada proferiram; e à medida que a noite se tornava mais profunda, um após outro foi dormir envolto numa nova e feliz submissão.

Mas o sétimo eu ficou a observar e a mirar o nada por detrás de todas as coisas.

(Kahlil Gibran)